Acupuntura

A acupuntura pode ajudar muito a solucionar o problema do melasma, já que atua no campo energético de nosso organismo, reequilibrando-o. Porém, deve ser consultado um especialista em acupuntura chinesa, não na acupuntura praticada pela medicina oficial. Esta é limitada também nesse campo, pois só adotou aspectos da acupuntura milenar chinesa que ela conseguiu comprovar, desprezando diversos outros. Entretanto, como diz um sábio autor, a lógica formal não é eficiente sempre. Às vezes é necessária uma lógica superior. A acupuntura chinesa é superior à da medicina formal porque soluciona, há cinco mil anos, muitos problemas de saúde que os cientistas modernos não conseguem solucionar, senão de forma incompleta, ineficiente e traumática. Pode-se observar bem a diferença entre o procedimento dos médicos alopatas que praticam acupuntura e o dos terapeutas que trabalham com a acupuntura tradicional chinesa, pela diferença no atendimento que ambos dispensam aos enfermos. Os alopatas não se dão muito à prática de apalpar seus pacientes, de olhar suas línguas, de analisar seus pulsos, etc.

Deve-se notar também que há diferentes formas de se proceder à puntura (penetração com as agulhas). Na primeira, o acupunturista apenas faz penetrar a agulha no ponto que considera apropriado. A segunda forma é mais elaborada e parece dar bem melhores resultados. Nessa, o terapeuta faz a agulha penetrar no ponto, mas manuseia a agulha, fazendo com esta certas manipulações até que o paciente sinta literalmente um choque no local. Esse é o sinal de que a energia do doente foi atingida satisfatoriamente.

Deve-se conversar com o acupunturista, perguntar a ele se já tratou diretamente de pacientes com melasma, se está seguro de que sabe o que deve fazer pra sanar o problema. Certificando-se de que não é um aventureiro, o tratamento será com certeza de grande ajuda no tratamento dessas manchas no rosto.

Há que acrescentar que existem dois tipos de acupuntura: a sistêmica e a estética. A primeira tem o propósito de corrigir problemas orgânicos relacionados à queixa do paciente; a segunda atua no organismo mas é mais indicada para corrigir os sintomas externos. Aconselha-se a conversar com o acupunturista de confiança para que aconselhe a qual das duas se deve recorrer ou se a ambas.

No link http://www.marcoslisboaneves.com.br/atualizacoes.php?id=15
um acupunturista relata o tratamento de uma paciente. Abaixo transcreve-se o texto correspondente. Frise-se o excerto: “Décima sessão – a redução do tamanho e da intensidade da cor da mancha era evidente. As áreas em que manchas ainda eram mais visíveis eram a testa, perto da raiz dos cabelos e o queixo. Perto dos olhos, na região malar, a mancha era visivelmente mais clara.”

TRATAMENTO DA MELASMA PELA ACUPUNTURA

05.05.2011
TRATAMENTO DA MELASMA PELA ACUPUNTURA
Denise Soares da Maia 1
Marcos Lisboa Neves 2
1 – Aluna do Curso de Especialização em Acupuntura do Centro de Estudos e Qualidade de Vida, Porto Alegre, RS.
2 – Professor do Curso de Especialização em Acupuntura do Centro de Estudos e Qualidade de Vida, Porto Alegre, RS.
RESUMO
É possível que boa parcela das clientes, essencialmente femininas, que procuram a acupuntura estética, possua manchas no rosto. Até o momento, não há um tratamento efetivo para este problema. Os tratamentos disponíveis são onerosos, paliativos e superficiais. Esta dermatose inestética é causada por anormalidade na pigmentação. Embora seja benigna, causa importantes prejuízos emocionais e psicológicos aos indivíduos acometidos por ela (MIOT at al, 2009).
O melasma é uma dermatose adquirida, caracterizada pela presença de manchas simétricas e hiperpigmentadas, nas áreas fotoexpostas, principalmente na face e antebraços. A extensão das manchas é variável, podendo comprometer desde uma pequena área infra-orbital até a totalidade da face. A tonalidade das lesões pode variar do marrom claro ao escuro, dependendo do fototipo do paciente e da quantidade de melanina depositada na lesão (HASSUN et al, 2008).
Conforme Freitag, 2007, grande parte da fisiopatogenia do melasma permanece desconhecida. Porem, a maior prevalência nas mulheres em idade fértil, assim como o surgimento ou agravamento das manchas durante a gestação e uso de anticoncepcionais orais, sugere um componente hormonal a propiciar o desenvolvimento das lesões em pacientes geneticamente predispostos.
Dadas as características da fisiopatologia do melasma, pode-se relacionar a mancha aos Canais de Energia Curiosos Chong Mai e Ren Mai. O primeiro, por se relacionar ao Baço/Pâncreas, cujo canal de abertura é o BP4, que se relaciona ao canal do Estômago, sendo que frequentemente, as manchas encontram-se na região facial, nos pontos correspondentes ao trajeto facial do Canal de Energia do Estômago. Por sua vez, a região maxilar é regida pelo Canal de Energia do Intestino Delgado, que é a manifestação Yang do Canal de Energia do Coração. Levando em conta a coloração, localização e vascularização das manchas, pode-se relacioná-las ao eixo Coração-Rins, Baço/Pâncreas-Pulmão, Coração ou Fígado. Também, os problemas emocionais, influenciam na pele, pois todos os mediadores químicos encontrados no sistema nervoso central, também se encontram em outros órgãos do corpo como a pele, o que permite uma interação da mente com todo o resto do corpo (NAKANO e YAMAMURA, 2008).
A escolha pelo uso do Vaso Maravilhoso Chong Mai deu-se pelo seu trajeto e pela grande mobilização de Qi, Sangue e aspectos emocionais que ele contempla e também, pela influência que este canal tem nas atividades dos Órgãos e das Vísceras. Foram usados os pontos BP4 e CS6. Segundo Yamamura, 2004, o ponto Bp4 apresenta conexão com o ponto CS6 para constituir o sistema “anfitrião-hóspede”. Com isso, objetivou-se a mobilização do Qi de forma geral no intuito de promover o equilíbrio do organismo e das emoções.
A análise dos resultados mostra que, nesse caso, o uso do Vaso Maravilhoso Chong Mai foi eficiente no tratamento do melasma.
Os ganhos secundários advindos da abordagem estética pela acupuntura fazem dessa modalidade um programa de tratamento que abrange a saúde e bem-estar que gera e é gerado pela beleza.
Este trabalho não tem a pretensão de encerrar o assunto, muito pelo contrário, novas pesquisas baseadas em evidências devem ser desenvolvidas para que possamos abrir o leque de entendimento sobre as implicações do uso dos vasos maravilhosos em estética.

ABSTRACT
It’s possible that a good parcel of the clients, essentially women, that look for esthetics acupuncture, contain spots in the face. Until this moment, there isn’t an effective treatment to this problem. The available treatments are expensive, palliative and superficial. This unsightly dermatosis is caused by a pigmentation abnormality. Although it’s benign, it causes important emotional and psychological damages to the individual affected by it (MIOT at al, 2009).
The melasma is an acquired dermatosis, characterized by the presence of symmetrical and hyperpigmented spots on the photoexposed areas, mainly on the face and the forearms. The extention of the spots is variable and it can compromise since a small infraorbital area, until the totality of the face. The spots tone may vary from light brown to dark brown, according to the patient’s phototype and the quantity of melanin deposited in the spot. (HASSUN et al, 2008).
According to Fraitag, 2007, great part fron the melasma’s pathogenesis still unknown. But, the higher prevalence on women in fertile age, as the emergence or worsening of the spots while pregnant or taking oral contraceptives, suggests an hormonal component to propitiate the injuries in genetically predisposed patients.
Given the characteristics of the melasma’s pathology, it’s possible to relate the spots to the Chong Mai and Ran Mai’s Energy Curious Pathways. The first, to be relate to the Spleen/Pancreas, which opening pathway is the BP4, that is related Stomach’s Energy Pathway, being that, often, the spots are found on the facial area, in the points that correspond to the facial path from the Stomach Energy Path. By its turn, the maxillary area is governed by the Small Intestine’s Energy Pathway that is the Yang manifestation from the Heart’s Energy Pathway. Taking into account the spots color, place and vascularization, it’s possible to relate them to the Heart-Kidneys, Spleen/Pancreas-Lung, Heart or Liver axis. Also, the emotional problems, influence on the skin, because all the chemical mediators found in the central nervous system, are also found in other organs from the human body, like the skin, what allows an interaction from the mind with all the body (NAKANO e YAMAMURA, 2008).
The choice to use the Wonderful Vessel Chong Mai happens by his path and by the great amount of Qi, Blood and emotional aspects contemplated by it, also, by this pathway influence on the organs and viscera activities. Were used points BP4 and CS6. According to Yamamura, 2004, the point BP4 presents connection with the point CS6 to constitute the “host-guest” system. With that, it was aimed to the Qi mobilization, generally, with the intention to promote the organism and the emotions balance.
The analyze from the results shows that, in this case, the use from the Wonderful Vessel Chong Mai was efficient in the melasma treatment.
The side gains came from the esthetics approach form the acupuncture make from this mode, a program of treatment that covers the health and the welfare that generate and are generated by the beauty.
This work doesn’t has the intent to close the subject, quite the contrary, new researches based on evidences must be developed so we can open the range of understanding about the implications of the Wonderful Vessels in aesthetics.

INTRODUÇÃO
É possível que boa parcela das clientes, essencialmente femininas, que procuram a acupuntura estética, possua manchas no rosto. Até o momento não há um tratamento efetivo para este problema. Os tratamentos disponíveis são onerosos, paliativos e superficiais. Esta dermatose inestética é causada por anormalidade na pigmentação. Embora seja benigna, causa importantes prejuízos emocionais e psicológicos aos indivíduos acometidos por ela (MIOT at al, 2009).
A grande importância da aparência estética faz com que alterações dermatológicas, sem grandes significados clínicos, possam influenciar negativamente as atividades dos pacientes, limitando seu cotidiano (WEBER, 2006).
Madeira, 2010, diz que a face é valorizada como um segmento corpóreo altamente representativo da pessoa e como centro das atenções para uma busca estética. A sua alteração traz inúmeras preocupações que podem fazer o indivíduo reagir com profundo sentimento de dor, medo e ansiedade, relacionado com o grau de afetividade reprimida dentro de si.
Segundo Yamamura e Nakano, 2008 – na Medicina Tradicional Chinesa (MTC), a face representa o coração, que é morada do Shen – complexo das faculdades mentais, aspectos emocionais e espirituais de todos os outros órgãos. Então, tratar a face, unindo o conhecimento científico-acadêmico do ocidente ao conhecimento milenar do oriente, é tratar o indivíduo por inteiro, é proporcionar saúde, beleza e bem-estar.
Este trabalho não tem somente fins acadêmicos, mas também, a intenção de colaborar para divulgação da acupuntura como uma técnica segura, eficaz e menos onerosa no tratamento da melasma. A acupuntura é, acima de tudo, uma técnica que trata o indivíduo como um todo, levando em conta o seu contexto biopsicossocial, auxiliando-o a resgatar a auto-estima e melhorar a qualidade de vida.

2 OBJETIVOS
2.1 Objetivo geral
Esse trabalho tem como objetivo geral verificar o efeito da acupuntura no tratamento da melasma em uma paciente, fornecendo dados baseados em evidências para que possam incentivar novas pesquisas em acupuntura estética.
2.2 Objetivos específicos
– Testar o uso do vaso Chong Mai para tratamento do melasma;
– Oferecer uma alternativa eficaz, mais duradoura e menos onerosa para o tratamento da melasma.

3 REVISÃO
3.1 Melasma
A origem da palavra melasma é grega, e significa preto. Já o cloasma, usado como sinônimo de melasma, significa verde. (Etmoline s.d)
Segundo uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Dermatologia, realizada no ano de 2006, o melasma juntamente com outras doenças relacionadas a pigmentação, foi responsável por 8,4% das consultas dermatológicas.
A prevalência do melasma no mundo varia consideravelmente, de acordo com a região estudada e com o fototipo da população. Na maioria das raças, a doença inicia após a puberdade, na faixa dos 20 aos 30 anos. O fato de haver maior prevalência em mulheres, e entre estas nas que estão em idade fértil, e o surgimento ou agravamento durante o período gestacional, bem como com o uso de anticoncepcionais orais, sugere um cenário hormonal que propicia o desenvolvimento das lesões em pacientes geneticamente predispostas. Não existe, até aqui, dados publicados sobre a prevalência da melasma no Brasil (FREITAG, 2007).
3.2 Manifestações Clínicas

O melasma é uma dermatose adquirida, caracterizada pela presença de manchas simétricas e hiperpigmentadas nas áreas fotoexpostas, principalmente na face e antebraços. A extensão das manchas é variável, podendo comprometer desde uma pequena área infra-orbital até a totalidade da face. A tonalidade das lesões pode variar do marrom claro ao escuro, dependendo do fototipo do paciente e da quantidade de melanina depositada na lesão (HASSUN et al, 2008).
A distribuição simétrica das lesões na face é uma característica constante da doença, o que facilita seu diagnóstico diferencial em relação às alterações pigmentares com localização assimétrica ou unilateral. Não há consenso sobre a classificação clínica do melasma, mas são reconhecidos dois principais padrões de melasma da face: centro facial: acomete a região central da fronte, região bucal, região labial, região supralabial e região mentoniana; malar: acomete regiões zigomáticas. Alguns autores acrescentam ainda um terceiro padrão, menos freqüente, chamado mandibular. (FREITAG, 2007)
Segundo Cestari e Freitag, 2006, em 2003 Balkrishnan et AL. desenvolveram e validaram o Melasma Quality of Life Scale (MELASQoL), um questionário específico para aferição da qualidade de vida de portadores de melasma. O escore final desse teste pode variar de 7 a 70, sendo que os valores mais altos indicam pior qualidade de vida. Os autores aplicaram o teste em 102 mulheres americanas entre 18 e 65 anos, obtendo o escore médio de 36. O resultado do teste mostra que mesmo pequenas e discretas manchas na face podem determinar prejuízo considerável para o bem-estar dos pacientes acometidos.
3.3 Fisiopatologia

Conforme Freitag, 2007, grande parte da fisiopatogenia da melasma permanece desconhecida. Porem, a maior prevalência nas mulheres em idade fértil, assim como o surgimento ou agravamento das manchas durante a gestação e uso de anticoncepcionais orais, sugere que um componente hormonal pode propiciar o desenvolvimento das lesões em pacientes geneticamente predispostos.
De acordo com Ventura et AL., 2008, a melanina é produzida pelos melanócitos e armazenada nos melanossomas, que se localizam dentro dos queratinócitos. Estas células com melanina são responsáveis pelas diferentes cores de pele. Os melanossomas são responsáveis pela síntese de melanina. Sendo assim, a melasma é uma alteração funcional do melanócito.
Dentre os desencadeantes da lesão, a exposição solar parece ser o mais importante. A piora do quadro nos meses de verão e a remissão nos meses de inverno, juntamente com os achados histológicos de elastose solar apontam fortemente para a importância da exposição ultravioleta (UV) na patogênese do melasma. Este também pode estar relacionado ao uso de cosméticos e de certas medicações. Também há a possibilidade de estar relacionado a doenças da tireóide (MIOT et AL., 2009).
3.4 Aspectos histopatológicos
Os melanócitos são células dendrídicas, embriologicamente derivadas dos melanoblastos, os quais se originam da crista neural. Na pele, estão localizados, na camada basal da epiderme e, ocasionalmente, na derme. Os melanócitos da epiderme e do bulbo pilar têm atividades relativamente independentes e que respondem a fatores ambientais diferentes. A principal função do sistema malanocitário é a proteção solar (NAKANO e YAMAMURA, 2008).
As células basais epidérmicas estão unidas às células vizinhas por estruturas específicas. Os melanócitos não estão fixos na epiderme, identificando-se apenas pequeno desnível na posição dos melanócitos em relação ao alinhamento da camada basal, projetando-se ligeiramente em direção à derme (MIOT at al, 2009).
Miot et AL., 2007, realizou estudo comparativo de pele cometida por melasma e pele adjacente normal, verificaram que a afecção se caracteriza por hiperpigmentação epidérmica. A pigmentação dérmica não difere na epiderme com melasma, e na pele sã adjacente, esse dado desabona a classificação em melasma epidérmico, dérmico e misto, visto à luz de Wood.
3.5 Tratamento

A terapêutica do melasma objetiva retardar a proliferação dos melanócitos, inibir a formação de melanossomas e aumentar a degradação dessses melanossomas. A fotoproteção contra os raios ultra violetas tipo A e B, assim como para luz visível, deve ser utilizada de forma rigorosa (FREITAG apud Moin, 2007).
Uma revisão da literatura feita por Steiner et AL., 2009, refere que o uso do protetor solar de amplo espectro é importante no tratamento do melasma, e a hidroquinona tópica é o tratamento mais utilizado. Demais agentes clareadores mais usados incluem ácido retinóico, ácido azelaico e ácido kójico. Combinações terapêuticas aumentam a eficácia em comparação à monoterapia. Peelings, químicos e físicos, e tratamentos com laser e luz intensa pulsada constituem modalidades complementares, utilizadas para tratar o melasma.

4. ACUPUNTURA ESTÉTICA

A acupuntura estética nasceu na década de 70, e tem, basicamente, o mesmo princípio que a versão tradicional. Agulhas são colocadas em determinados pontos do corpo para fazer circular e harmonizar a energia. A medicina chinesa tem uma visão global do paciente, por isso, uma simples ruga ou mancha pode ser um indicativo de que algo no organismo não vai bem. O tratamento de uma marca de expressão, ou mancha na pele, acaba sendo um programa de saúde completo (DIÁIO DE SÃO PAULO, 2006).
4.1 Melasma e acupuntura

Dadas as características da fisiopatologia do melasma, pode-se relacionar a mancha aos Canais de Energia Curiosos Chong Mai e Ren Mai. O primeiro, por se relacionar ao Baço/Pâncreas, cujo canal de abertura é o BP4, que se relaciona ao canal do Estômago, sendo que, frequentemente, as manchas encontram-se na região facial, nos pontos correspondentes ao trajeto facial do Canal de Energia do Estômago. Por sua vez, a região maxilar é regida pelo Canal de Energia do Intestino Delgado, que é a manifestação Yang do Canal de Energia do Coração. Levando em conta a coloração, localização e vascularização das manchas, pode-se relacioná-las ao eixo Coração-Rins, Baço/Pâncreas-Pulmão, Coração ou Fígado. Também, os problemas emocionais, influenciam na pele, pois todos os mediadores químicos encontrados no sistema nervoso central, também se encontram em outros órgãos do corpo, como a pele, o que permite uma interação da mente com todo o resto do corpo (NAKANO e YAMAMURA, 2008).
4.2 Tratamento com acupuntura

4.2.1 Vasos Maravilhosos

Os oito Vasos Maravilhosos não se relacionam com o sistema Zang-Fu, como os doze canais principais. Eles são conhecidos, também, por oito Vasos Curiosos, oito Vasos Irregulares, oito Canas Extraordinários, oito Vasos Extraordinários.
A teoria dos Vasos Maravilhosos faz uma analogia dos Vasos Maravilhosos com lagos, e entre os Canais Principais de Energia com rios. Assim, os Vasos Maravilhosos funcionam como reservatórios de energia. Eles encerram energia nutritiva, de defesa e ancestral, e irrigam os espaços compreendidos entre os canais principais de energia.
Com exceção dos Vasos Governador e Diretor, os Vasos Maravilhosos não tem seus pontos próprios, como acontece com os Canais Principais, porém, fluem por pontos de vários canais principais. Portanto, cada vaso extraordinário influencia mais de um canal principal (INADA, 2008).
Segundo Yamamura, 2004, os Vasos Maravilhosos, ou Canais de Energia Curiosos, não obedecem à regra de alternância do Yin e do Yang, observada nos outros canais; ao contrário, formam dois sistemas de canais de associação “Yin-Yin”, e dois “Yang-Yang”, isto é, formam quatro sistemas de conexão chamados de “anfitrião-hóspede”. Eles apresentam ligações muito estreitas com os Canais de Energia Principais, e cada Canal de Energia Curioso está ligado a um ponto de Canal de Energia Principal por meio do ponto de Abertura ou ponto chave. Durante a aplicação de Acupuntura, é necessária a obtenção de “Te Qi” (chegada do Qi), a fim de que o Alto e o Baixo, a Esquerda e a Direita, comuniquem-se entre si.
4.2.2 Canal de Energia Curioso Chong Mai

O Canal de Energia Curioso Chong Mai é conhecido como o mar do Xue (Sangue), faz intersecção com os Canais de Energia Principais do Shen (Rins) e do Wei (estômago), e também com os Canais de Energia do Ren Mai (Vaso-Concepção) e do Du Mai (Vaso-Governador), que têm origem comum na cavidade pélvica. O Canal de Energia Curioso Chong Mai faz a união e a interação desses quatro Canais de Energia, influenciando as atividades dos Órgãos e das Vísceras, que, por sua vez, estão relacionados com todos os Canais de Energia Principais.
A importância do Canal de Energia Curioso Chong Mai deve-se ao fato de que é através desse Canal de Energia que os Zang Fu se conectam com o Shen (Rins) e com o Wei (Estômago).
Os Canais de Energia Curiosos Chong Mai e Ren Mai armazenam o excedente do Shen Qi (Rins) e o Xue (Sangue), e, com isso, esses Canais podem regularizar o fluxo do Qi e do Xue (Sangue) nos Canais de Energia Principais (YAMAMURA, 2004).
4.3 Localização das Manchas e Meridianos Relacionados
A colaboradora do presente estudo apresenta manchas de grande extensão por toda face, principalmente nas áreas correspondentes ao trajeto do Meridiano do Estômago, e do Canal de Energia Curioso Chong Mai.
5 METODOLOGIA
5.1 Materiais e métodos
Foram utilizadas agulhas filiformes, descartáveis, fabricadas em aço inoxidável, tamanho 0,25 x 15mm, da marca Dong Bang; álcool 70%, marca Miyako do Brasil; algodão da marca Névoa; maca coberta com lençol de papel descartável da marca Pocospel e luvas médias descartáveis da marca Supermax do Brasil.
O descarte das agulhas foi feito em caixas da descarpack. O lixo contaminado foi desprezado em sacos de lixo hospitalar para resíduos infectantes da marca Poçospel, que são fornecidos pela empresa que os recolhe. Ambos são recolhidos semanalmente pela empresa Aborgama do Brasil LTDA.
A amostra foi fotografada com uma máquina digital marca Yashica, modelo Classy, 5.0 mega pixel.
A inserção da agulha foi realizada até a paciente obter a sensação do Qi, no ponto de abertura e no ponto associado do Vaso Chong Mai. As agulhas foram inseridas perpendicularmente com manipulação indistinta, ou seja, foram giradas para esquerda e para direita de forma igual, e ficaram retidas por 20 minutos.
Segundo Yamamura, 2004, para harmonizar a circulação de energia no canal, deve-se inserir a agulha perpendicularmente e usar a manipulação indistinta da agulha, ou seja, girá-la para direita e para esquerda com igual força, sem acentuar nenhum dos movimentos; é a técnica mais usada na prática.
Foi puncionado o ponto BP4, que é o ponto de abertura do Canal de Energia Curioso Chong Mai, e logo após o ponto de abertura do seu canal acoplado, o Canal de Energia Curioso Yin Wei Mai, cujo ponto de abertura é o CS6. Foi puncionado primeiro o lado direito depois o lado esquerdo. As agulhas foram inseridas de forma perpendicular e retidas por 20 minutos.
No que se refere aos Vasos Maravilhosos, o tratamento em pares é a forma mais utilizada para tratar ao mesmo tempo um maior número de meridianos e órgãos, tratar síndromes complexas, alterações constitucionais e para fazer maior mobilização de Qi e Sangue (PINHO, 2009).
O ponto de abertura do Chong Mai, BP4, tem relação específica sobre a patologia cardioabdominal e dos cinco Zang (Órgãos), e apresenta conexão com o ponto CS6, para constituir o sistema “anfitrião-hóspede”. Pela metodologia da aplicação do Canal de Energia Curioso Chong Mai, deve-se, em primeiro lugar, puncionar BP4, para abrir esse canal de energia Curioso e o CS6, a seguir, estimulam-se os pontos sintomáticos da patologia em questão. (YAMAMURA, 2004)
5.2 Descrição da pesquisa

Esta pesquisa caracteriza-se como um estudo de caso, com metodologia experimental de caráter qualitativo. A colaboradora participante foi uma mulher com melasma, o diagnóstico foi dado verbalmente pela dermatologista á colaboradora, não foi fornecido laudo por escrito. Para coleta dos dados foi utilizada a ficha de avaliação em Acupuntura padrão do Centro Vida (Apêndice A).
5.3 População e amostra
A amostra foi selecionada durante um atendimento fonoaudiológico, para tratamento estético da face, através do reequilíbrio muscular do sistema estomatognático.
O critério de inclusão na pesquisa foi: ser do sexo feminino, ter diagnóstico clínico de melasma, já ter realizado algum tipo de tratamento para melasma e, assinar o Termo de Consentimento Livre, Lido e Esclarecido – elaborado pela pesquisadora (Apêndice II). O Termo de Consentimento Livre, Lido e Esclarecido teve duas (2) vias, sendo que uma permaneceu com o pesquisador e a outra com a colaboradora da pesquisa. A pesquisa teve como critério de exclusão o não comparecimento da colaboradora em duas ou mais sessões, a fim de garantir dados confiáveis e satisfatórios para a pesquisa.
Para a pesquisa foram estabelecidas dez (10) sessões de quarenta e cinco minutos (45) cada, sendo realizada uma sessão por semana. Quarenta e cinco minutos é o tempo estipulado pela pesquisadora para qualquer procedimento.
A paciente da amostra foi submetida a uma avaliação de acupuntura elaborada pelo Centro VIDA (Apêndice I) no início do tratamento. A amostra foi fotografada no início do tratamento e no final.

6 DISCUSSÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS
6.1 Descrição da amostra
Paciente F.C., 34 anos, sexo feminino, jornalista, casada, afirma que – segundo especialistas consultados – é portadora de melasma. Já se submeteu a vários tratamentos dermatológicos como: peeling químico, peeling de diamante, luz pulsada e uso de cremes clareantes, como o Vita Cid Plus, por exemplo, obtendo apenas resultados paliativos. Foi avaliada em 04.08.2010, no consultório da pesquisadora. Conforme relata, as manchas apareceram no verão de 2007, logo após sua separação – quando viajou para praias do nordeste, onde pegou muito sol. Afirma não haver presença dessas manchas em outras mulheres da família. Faz uso de anticoncepcional via oral, não tendo nenhuma disfunção metabólica, e nunca esteve em estado gestacional. Além das manchas, refere muito cansaço, pois tem uma rotina intensa de trabalho, fica resfriada frequentemente, com crises de sinusite e disfonia, sono superficial e não-reparador, crises recorrentes de infecção urinária e muita retenção de líquido por todo corpo, principalmente pernas e face.
Também refere que, em tudo que faz – principalmente na vida profissional – procura ser a mais perfeita e dedicada possível, mas está sempre desconfiada do seu trabalho, acha que poderia ser melhor e sente-se muito insegura.
Ao ser questionada sobre sua personalidade, descreve-se como uma pessoa extremamente ansiosa e insegura, mas persistente. Considera-se exigente consigo mesma e bastante reservada.
O exame físico evidencia face sem brilho, mesmo com rotina diária de intensos cuidados com a pele. As manchas espalham-se por todo o rosto, como se fosse uma máscara que acomete bilateralmente, desde o ângulo da mandíbula, região mentoniana, ângulo malar, região zigomática, até a região temporal e frontal.
O exame a língua apresentou boa mobilidade, cor vermelha clara, uma rachadura congênita no meio e ponta arredondada. Quanto à saburra não foi possível avaliar porque a colaboradora escovava a língua nos dias de atendimento. O pulso é fraco e profundo.
6.2 Diagnóstico

O diagnóstico de melasma foi confirmado verbalmente pela dermatologista em contato telefônico feito pela pesquisadora.
Conforme os critérios da MTC, a paciente apresenta deficiência de Qi do pulmão, baço e rim.
6.3 Tratamento

Segunda sessão – referiu ter melhorado seu padrão de sono e disposição ao acordar, além de ter urinado com mais frequencia.
Quarta sessão – referiu não ter mais crises de resfriado – mesmo tendo que enfrentar intempéries climáticas durante a realização do seu trabalho, e estar dormindo menos horas, nem ter ficado disfônica. Na face já era possível notar maior aderência da pele aos músculos e diminuição no tamanho e intensidade da cor da mancha. Ela começou a involuir das extremidades para o centro da face. Não estava apenas clareando, estava encolhendo.
Sexta sessão – a sensação de pigarro que antes era freqüente já não existia mais, a voz estava mais forte e projetada e as manchas cada vez mais claras, já observavam-se os ângulos da mandíbula completamente limpos e clareiras no ângulo malar onde a mancha era bem compacta.
Décima sessão – a redução do tamanho e da intensidade da cor da mancha era evidente. As áreas em que manchas ainda eram mais visíveis eram a testa, perto da raiz dos cabelos e o queixo. Perto dos olhos, na região malar, a mancha era visivelmente mais clara.
A paciente referiu, ainda, não ter tido nenhuma crise de cistite nesse período, estar sentindo-se mais centrada, calma, menos ansiosa e mais segura de si e com mais disposição.
7 DISCUSSÃO DOS DADOS
Crises frequentes de sinusite, resfriados, disfonia, voz fraca e edema na face, nos remetem a padrões de deficiência do Pulmão. O nariz é a abertura somática do Pulmão, que tem a função energética de governar o Qi por todo organismo. O Pulmão dispersa a energia de defesa e os fluidos corpóreos para os espaços entre a pele e os músculos. Se esta função estiver prejudicada o organismo fica vulnerável a várias doenças (AUTEROCHE e NAVAILH, 1992).
O Pulmão recebe os fluídos corpóreos refinados do Baço/Pâncreas e os dispersa por toda a pele e para os músculos. Se esta função for obstruída, poderá ocorrer, principalmente, edema de face (NAKANO e YAMAMURA, 2008).
Crises recorrentes de cistite, retenção de líquidos, principalmente nas pernas, medos, inseguranças. Os Rins governam a água. A regulação dos líquidos orgânicos é, em grande parte, devida à atividade do Qi dos Rins. Em seu ciclo normal a água passa pelo Estômago, que a recebe, pelo Baço, que a transforma, pelo Pulmão, que a distribui; atravessa os Três Aquecedores, o que é puro vai para os órgãos, o que é impuro se transforma em suor e urina, que são expulsos do corpo.
Se a atividade dos Rins for anormal, haverá obstáculo na renovação da água, com produção de edemas, micção difícil (AUTEROCHE e NAVAILH, 1992).
Emoções como medo, pavor, insegurança e ansiedade debilitam a Energia dos Rins. Entre outras funções, os Rins também controlam a recepção do Qi. Para fazer uso do Qi puro do ar, o Pulmão e o Rim agem conjuntamente. O Pulmão apresenta ação descendente sobre a Energia, direcionando-a aos Rins e estes respondem “mantendo” este Qi na parte baixa. Se os Rins não puderem conservar o Qi recebido do Pulmão, o Qi retorna ao Pulmão e pode causar plenitude torácica, dispnéia e asma (NAKANO e YAMAMURA, 2008).
A mancha de melasma apareceu no primeiro verão após sua separação. Uma mancha compacta em toda extensão da face como se fosse uma máscara. A exposição solar é um fator inquestionável ao aparecimento de manchas na pele, isso já foi comprovado por inúmeros estudos científicos e já foi abordado anteriormente nesse trabalho, assim como a influência da questão hormonal feminina.
Segundo Nakano e Yamamura, 2008, fatores emocionais podem estar envolvidos no aparecimento da melasma, uma vez que a pele possui funções importantes de proteção (física, química, biológica, energética e psíquica). Se considerar que a pigmentação da pele confere proteção contra os raios ultravioletas, então, pode-se dizer que a mancha é uma forma de superproteção frente ao Sol, que representa o Yang, e, portanto, às emoções que também são Yang. Ao falar do subconsciente, este pode relacionar as agressões físicas e emocionais como sendo o Sol. Se não aceitar o Sol, não se aceitam as emoções. As emoções relacionadas à melasma são o medo e a insegurança, tendo o sentido de não querer ou não poder se mostrar.
Levando em conta que as manchas possuem microvascularização local e, por estarem espalhadas por toda a face, nesse caso de forma compacta, caracterizando uma máscara, pode-se fazer uma relação com o Coração.
O Coração é a casa do Shen (Mente). O Coração é o órgão que funciona como receptáculo das funções ativas da consciência, ele abriga ou expressa sentimentos, emoções, desejos mais profundos, imaginação, intelecto e memória dos eventos passados (CAMPIGLIA, 2010).

8 CONCLUSÃO
A análise dos resultados obtidos a partir dos objetivos estabelecidos no início do tratamento conclui que, nesse caso, o uso do Vaso Maravilhoso Chong Mai foi eficiente no tratamento do melasma.
A escolha pelo uso do Vaso Maravilhoso Chong Mai deu-se pelo seu trajeto e pela grande mobilização de Qi, Sangue e aspectos emocionais que ele contempla e também, pela influência que este canal tem nas atividades dos Órgãos e das Vísceras. Foram usados os pontos BP4 e CS6. Segundo Yamamura, 2004, o ponto BP4 apresenta conexão com o ponto CS6 para constituir o sistema “anfitrião-hóspede”.
Com isso, objetivou-se a mobilização do Qi de forma geral no intuito de promover o equilíbrio do organismo e das emoções.
As alterações energéticas dos Órgãos e das Vísceras, causadas pelos distúrbios de Qi e de Xue (Sangue), manifestam-se na pele sob a forma de alterações energéticas, como a mudança de cor, sensação de calor ou frio, prurido, alterações cutâneas e alterações de sensibilidade. A topografia e a distribuição dessas alterações cutâneas correspondem ao trajeto dos Canais envolvidos, pois é por meio dos capilares desses Canais que as alterações energéticas internas atingem a pele (YAMAMURA, 2004).
Levando em conta que as manchas possuem microvascularização local e por estarem espalhadas por toda a face, fez-se relação com o Coração. Segundo Auteroche e Navailh, 1992, o coração tem sua manifestação externa na tez do rosto. O sangue faz a circulação nos vasos sanguíneos, e estes sendo mais abundantes na face, se refletem nas alterações da sua cor. Segundo SANTOS, 2008, o coração é um órgão Yin, representado pelo elemento fogo na natureza. Fazendo analogia da face com o coração, creio que a redução da extensão da mancha no sentido distal proximal tenha ocorrido de acordo com o movimento do fogo. Este diminui suas chamas até apagar completamente seu lúmen.
Os ganhos secundários advindos da abordagem estética pela acupuntura fazem dessa modalidade um programa de tratamento que abrange a saúde e bem-estar que gera e é gerado pela beleza.
Este trabalho não tem a pretensão de encerrar o assunto, muito pelo contrário, novas pesquisas baseadas em evidências devem ser desenvolvidas para que possamos abrir o leque de entendimento sobre as implicações do uso dos vasos maravilhosos em estética.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

Campiglia, Helena. Psique e Medicina Tradicional Chinesa. 2ª Ed. Roca. São Paulo, 2010.
Cestari, Tania F, Freitag, Fernanda M. – Melasma e qualidade de Vida. Melasma em Foco Informativo Ciêntifico. Uma publicação da Galderma Brasil Ltda. Ano II. Nº04 junho de 2006.Disponível em , acessado em 05.01.11
Dicionário etimológico on line.Disponível em , acessado em 17.10.10
DIÁRIO DE SÃO PAULO. Agulhas que curam e também embelezam. São Paulo, 2006. Disponível em: , acessado em 10 de outubro de 2010.
Inada, Tetsuo, Vasos Maravilhosos e Cronoacupuntura, 2ª edição Roca, ????? 2008
Freitag, Fernanda M. Aspectos Clínicos, gravidade da doença e impacto na qualidade de vida de mulheres com melasma atendidas em um hospital universitário do sul do Brasil. Porto Alegre, 2007 (dissertação mestrado).
Hassun, Karime M, Bagatin Ediléia, Ventura Karin F. Melasma – Depto. de Cosmiatria e Cirurgia, UNICCO, do Depto. de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo. Disponível em , acessado em 17.09.2010.
Madeira, Miguel C. Anatomia da Face – Bases Anatomofuncionais para a prática odontológica. 7ª edição Sarvier. ???? 2010.
Miot LDB, Miot HA, Marques MEA. Fisiopatologia do melasma. An Bras Dermatol. 2009;84(6):623-35
Disponível em , acessado em 20.09.10.
Pinho, Cleto E. Apostila de Estudos do Curso de Especialização em Acupuntura, 2009.
Sociedade Brasileira de Dermatologia. Perfil nosológico das consultas dermatológicas no Brasil. An Bras Dermatol 2006;81(6):549-58.
Steiner Denise, Feola Camila, Bialeski Nediana, Silva Fernanda AM. Tratamento do melasma: revisão sistemática. Surgical & Cosmetic Dermatology 2009; 1(2):87-89-94.
Disponível em , acessado em 15.10.10
Weber MB, Mazzotti NG, Prati C, Cestari TF. Aferição da qualidade de vida na avaliação global do paciente dermatológico. Ver.HCPA 2006;26(2):35-44.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>