Luteína

A luteína é um produto que pode definitivamente contribuir para o controle do melasma e diminuição das manchas. Entretanto, é sempre interessante mencionar que, como cada organismo é único, cada método de cura e de controle da saúde, como os mencionados neste blog,  pode surtir um efeito diferente em cada pessoa.

Para se entender melhor o efeito da luteína no corpo, sugerimos os seguintes links, cujo teor reproduzimos logo em seguida, respectivamente. O primeiro se refere a uma reportagem, e o segundo a um depoimento.

http://beleza.terra.com.br/sua-pele/para-sua-pele/luteina-combate-manchas-e-fotoenvelhecimento-da-pele,33a2bfcdc4d47310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

 

http://www.acordeilinda.com/2013/10/melasma-como-eu-me-livrei-dessas-manchas.html

 

 

 

 

Texto contido no Primeiro link:

Estudos já comprovaram que a luz emitida por computadores, televisores e lâmpadas fluorescentes pode causar manchas na pele, assim como os raios ultravioleta (UVA e UVB). Mas, o que pouca gente sabe é que a luteína – antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres – pode proporcionar um efeito fotoprotetor contra todas essas radiações, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele.

 

Os benefícios desse ativo para a cútis começaram a ser valorizados há cerca de cinco anos quando a revista científica americana Skin Pharmacology and Physiology divulgou um estudo que apontou a luteína como uma poderosa arma antioxidante contra o fotoenvelhecimento cutâneo, causado pela ação dos radicais livres que são formados pela exposição excessiva à radiação e capazes de provocar alterações no DNA das células, principalmente dos melanócitos (células de pigmentação) e dos fibroblastos (células responsáveis pela produção de colágeno).

 

“Essa substância reduz os efeitos dos radicais livres produzidos pela luz visível, como a emitida pela TV e pela tela do computador. Isso ajuda a evitar o surgimento e a  piora das manchas na pele, além de aumentar o espectro (proteção UVA e UVB) do protetor solar”, explica Jardis Volpe, dermatologista especializado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), com atualização em Laser pela Harvard Medical School (EUA).

 

Produtos à base luteína
Pouco conhecida do grande público, a luteína é um carotenoide, ou seja, um pigmento natural encontrado em verduras, como o espinafre, o brócolis e a couve-flor, em algumas frutas, como a laranja e o kiwi, além de estar presente também no milho e na gema do ovo. Mas, não adianta aumentar o consumo destes alimentos, porque o efeito rejuvenescedor da substância só é assegurado quando ela serve de matéria-prima para produtos cientificamente desenvolvidos, como os dermocosméticos, por exemplo.

 

Como as pesquisas sobre a ação da luteína na pele ainda são recentes, os produtos de beleza que têm a substância como principal ativo estão começando a ganhar espaço no mercado. “A luteína está presente em alguns cremes dermocosméticos importados. No Brasil, temos a opção de manipulação do princípio ativo para o uso oral sozinho ou em combinação com polivitamínicos”, informa Alexandre Y. Okubo, dermatologista da Clínica Prime, de São Paulo, e membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

 

Uma das marcas nacionais que apostam no potencial da luteína para a saúde e beleza da pele é a Biolab Sanus Farmacêutica que oferece o suplemento oral Reaox® (R$ 86) que proporciona uma proteção adicional à pele contra a radiação solar, complementando a ação dos filtros solares.

 

O cosmético também auxilia a modificação do processo de fotoenvelhecimento, impedindo os danos à molécula de DNA e reconstituindo as membranas celulares danificadas pelos radicais livres. O produto pode ser encontrado nas farmácias e distribuidores da marca em todo o País, em embalagens com 30 cápsulas gelatinosas.

 

“Os resultados do clareamento das manchas podem ser vistos a partir de 60 dias de uso. Mas o consumo contínuo dos cosméticos à base de luteína é importante para a prevenção”, alerta Jardis.

 

Texto contido no Segundo link:

MELASMA: COMO EU ME LIVREI* DESSAS MANCHAS

Antes de começar este post, preciso fazer duas importantes observações:
– NUNCA, em hipótese ALGUMA, use NADA no seu rosto sem o conhecimento de um dermatologista competente. O barato pode sair caro, a indicação da amiga pode ser um caos no seu rosto. Cada caso é um caso, e não é porque algo funcionou pra sua vizinha que vai funcionar pra você. Haja vista que eu como uma média de 200g de chocolate por dia e sou magra/fiapo. Quantas pessoas podem fazer isso sem engordar? Estou comentando isso só pra exemplificar que o que funciona pra uma pessoa não funciona pra outra.
Não siga NADA que você ler neste post sem antes conversar com um dermatologista e não siga NADA que te falarem (vou pecar por repetir, mas né…) senão vou começar a dar receita de como ser magra comendo 200g de chocolate por dia, tá?!
– Segunda coisa é que MELASMA é um tipo de mancha que você terá que tratar o resto da vida*. E por isso coloquei o asterisco. Eu não me livrei definitivamente. Algumas épocas, ele (o melasma) pode ficar quase invisível e outras ficará mais aparente (pra essas fases, a gente tem maquiagem, coisa de Deus pra combater o encosto do melasma).
Estou insistindo nisso de ir ao médico pois todos esses produtos são ácidos fortes e podem causar alergias severas. Pra vocês terem idéia, o meu tratamento era de 3 meses e depois eu deveria voltar ao médico. O que eu fiz? Não voltei e continuei com o tratamento por 5 meses, ao invés de 3. Resultado: desenvolvi uma alergia à hidroquinona e agora não posso usar mais. Lindo e inteligente isso. Só que não!

MINHA HISTÓRIA:

Eu sempre tomei sol e, antigamente, tomava sol no rosto (ah, se eu pudesse voltar no tempo!). Resultado: ao longo dos anos – e quando eu falo anos, eu me refiro a 10 anos de sol – foram aparecendo pequenas manchinhas na pele da face. Normal.
Anos de sol + pílula e comecei a notar uma mancha maior aumentando cada vez mais, escura e disforme. Começou a primeira entre as sobrancelhas subindo pela testa. Depois com o tempo, outras foram aparecendo nas maçãs do rosto. E também aumentando e escurecendo cada vez mais.
Importante observar que MELASMA é uma mancha maior, que se manifesta geralmente na testa, nariz e maçãs do rosto. Não tem nada a ver com essas pequenas manchas de sol. Sabe grávida com rosto manchado de gravidez? É tipo isso.
Falando leigamente, pois não sou médica, o melasma é causado pela conjunção do mal: hormônios + sol. E o hormônio geralmente é o feminino, aqueles de pílula. E fora isso, parece que tem um fator genético também, enfim… nem a medicina sabe direito.
Mas a fase pior que “atingi” foi em junho/julho de 2011. Meu rosto estava assim:

Essas fotos, peguei de um post em que eu estava demonstrando metade da base em um lado do rosto. Então considerem a metade direita das fotos.
Só que nessa fase da vida, nem base estava dando conta das minhas manchas. Precisava usar base com cobertura muito alta pra ficar decente (ou corretivo). Ou seja, de dia, ou eu era um travesti maquiado ou eu era uma cara cagada manchada.
Ao longo dos anos (desde que começou a aparecer o melasma propriamente dito), tentei vários tratamentos.
Peeling químico, ácido retinóico, hidroquinona, vitamina C… Nada disso resolveu ou sequer amenizou o problema.
Aí vocês estão pensando: por que você não tentou laser?
Nem os próprios médicos indicam laser para melasma. Todos os tipos de laser existentes no mercado são pouco ou nada eficientes para esse tipo de mancha, apesar de usados para tratar diversos outros tipos de manchas no rosto.
Bom, daí teve uma época que me deu a louca e resolvi suspender a pílula (tomo Yasmin) e resultado: minha pele LOTOU de acne em 20 dias. Pânico total! Pele manchada e cheia de espinha!!!
Então nisso, resolvi procurar um outro médico, menos voltado para questões estéticas e mais voltado para patologias em dermatologia.
 
Foi aí que tudo começou a se resolver. Quando comecei a ver minhas manchas como uma patologia e não como um problema estético.
A primeira providência foi tratar a fase aguda da acne com Roacutan (medicamento que NÃO resolve o meu problema, uma vez que minha acne é um problema de deficiência hormonal, então eu poderia tomar Roacutan pelo resto da vida, que uma vez suspendido o medicamento, a acne volta toda. Meu tratamento pra acne é com pílula mesmo, não tem outro jeito).
Tomei uns 3 meses de Roacutan só pra “me tirar da crise” e voltei com a pílula, que é a única coisa que controla a minha acne a longo prazo.
Bom, nisso, as manchas PIORARAM. Pensem meu desespero, gente! Agora, sem acne e com a pele TODA manchada.
Chegou uma época que eu estava tão desesperada que pensei: foda-se! Vou torrar a cara no sol e manchar ela toda! Bom que fica tudo de uma cor só #MichaelJacksonReverso Hahaha Mas o médico me disse que não ia funcionar esse meu “plano”.
Daí, depois de um tempo suspenso o Roacutan, comecei o tratamento para melasma propriamente dito.
Na primeira “fase”, o médico me passou um medicamento manipulado para passar no rosto à noite. À base de tretinoína, hidroquinona e dexametasona. Ele receitou que eu usasse por 3 meses e acabei usando por 4 antes de retornar lá.
Não obtive resultados significativos, mas saí daquela fase pior que eu tinha entrado com o uso do Roacutan.
Ah, o médico me explicou também que existem melasmas mais superficiais, moderados e mais “profundos”. Quanto mais profundo ele estiver na camada da pele, pior é (ou até impossível) de ser removido. #pânico.
O meu parece que está numa camada média (leigamente falando, tá?!).
Bom, na segunda “fase” do tratamento, eu alternei dois produtos à noite no rosto:
– NeoStrata Pigment Lightening
– Triluma
O Triluma é uma associação de hidroquinona + tretinoína + fluocinolona acetonida. Que é, pelo menos pra mim, que sou leiga, quase a mesma coisa da fórmula manipulada da primeira fase: hidroquinona + tretinoína + um corticóide.
Mas obviamente que deve ter diferença na prática.
(Só um parênteses aqui que fui Googlar a fórmula do Triluma e achei gente fazendo RESENHA dele. Gente! Tipo: oi??? Bom senso, cadê??? Bora incentivar as pessoas a usar tudo que é trem na cara!)
Enfim, depois dessa fase do tratamento, a pele melhorou muuuuuuuuuuuuito. Hoje, está assim (considerem o lado direito da foto):
Foto de um post de setembro deste ano. Não é a pele perfeita, mas quanta diferença! Não tenho mais uma “asa” no meu rosto.
O único problema, no meu caso, foi que era pra eu ter usado por 3 meses e retornado ao médico. Eu usei por 5 meses e só voltei depois desse tempo. E HOJE encontrei isto na bula do Triluma:
“TRI-LUMA é indicado no melasma moderado a grave da face, para tratamento de curta duração e intermitente (não contínuo).”
 
“Os seguintes pontos são importantes com relação à indicação e uso de Tri-luma Creme: Tri-luma Creme não deve normalmente ser utilizado para o tratamento de manutenção do melasma”
Bom, o resultado disso vocês já sabem. Desenvolvi alergia à hidroquinona (que ótimo!) e atéee eu descobrir isso, passei bons bocados com uso de outros medicamentos que agravaram a situação e eu cheguei a ficar assim:
Pra quem não acompanhou, tem post sobre isso aqui.
A sorte é que tudo foi feito com acompanhamento médico, então, no final, deu tudo certo e hoje estou bem. Por isso que insisto tanto para você NUNCA USAR NADA que você tenha lido na internet ou que tenha sido indicado pela amiga/vizinha.
Parece bobagem, mas esse é um assunto muito sério. É o SEU rosto!
E aí, bom… depois desse perrengue da alergia, eu já estava sem manchas mesmo e não usei mais nada no rosto pra tratar as manchas (uma vez que elas estão discretas e não me incomodam mais também).
E hoje em dia, tomo luteína (falei sobre isso aqui) como uma forma de manter as manchas adormecidas. Não sei se o efeito é psicológico, mas pelo que o médico me explicou, o melasma volta. Eu estou há 1 ano e 4 meses sem usar nada contra manchas no rosto e elas não pioraram. Creio que a luteína não vai resolver a mancha mas pode impedir que ela piore. Bom, pelo menos, assim tem funcionado pra mim. Imagino que em 1 ano e 4 meses sem tratamento, era para as manchas terem voltado e isso não aconteceu.
Se é isso ou não, nunca saberei, mas não tenho coragem de parar de tomar mais (comecei em setembro do ano passado).
Bom, essa é a MINHA história e o que funcionou pra mim. Converse com seu médico antes de usar qualquer coisa no rosto e siga o tratamento à risca pois seu médico é a pessoa que estudou pra isso – e não alguém que ficou lendo coisas pela internet!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *